(Pt)

A galeria Fita Tape foi fundada em 2009 por Lucas Ribeiro, mais conhecido como Pexão, após cinco anos de atuação como curador e galerista na pioneira galeria Adesivo, ambos espaços em Porto Alegre. Em sua primeira fase, a Fita Tape realizou 15 exposições, mostrando o trabalho de mais de 60 artistas.

Com a mudança de Lucas para São Paulo, trabalhando na curadoria da versão paulistana da mostra TRANSFER (que aconteceu no Santander Cultural em 2008 e no Pavilhão das Culturas Brasileiras em 2010) e na posterior fundação da galeria LOGO (que existiu de 2011 a 2015), à partir de 2013 a Fita Tape deixou de ter um endereço fixo. A trajetória da galeria seguiu através de projetos em espaços expositivos pop-up, em parceria com marcas e instituições, em Porto Alegre, no Rio e, no ano passado, participando da feira SP-Arte/Foto.

Em 2016 a galeria Fita Tape voltou a ter um endereço fixo, desta vez na cidade de São Paulo. O novo e amplo espaço da galeria localiza-se na renovada Praça Roosevelt, dentro do centro cultural Estação Satyros, que também conta com uma sala de teatro. A relação com a praça, seu público, incluindo muitos skatistas, e com a dramaturgia enriquece o programa da galeria, que, além do interesse em linguagens visuais, já conta com pesquisas relacionadas a skate, performance e narrativa.

A nova fase da Fita Tape marca a entrada da belga Julie Dumont para a sociedade da galeria. Mais conhecida pelo trabalho como adida de cooperação entre a Bélgica e o Brasil, Julie, que também atua como curadora em projetos independentes, desenvolve as relações internacionais com artistas, instituições, curadores e outras galerias.

Após inaugurar sua terceira exposição na galeria da Pça Roosevelt, a Fita Tape abriu um segundo espaço em São Paulo. Localizado na rua Oscar Freire 2205, o novo endereço está focado em manter, expor e comercializar o acervo de obras dos artistas representados pela galeria. No mesmo endereço do Acervo coexiste o escritório de arquitetura do belga Bernard Leroux, também colecionador de arte, parceiro da Fita Tape e responsável pela reforma do imóvel.


Galeria Fita Tape
Estação Satyros, Praça Roosevelt, 134
São Paulo/Brasil

Acervo Fita Tape
Rua Oscar Freire, 2205
São Paulo/Brasil


(En)

Fita Tape is a contemporary art gallery based in São Paulo, with a diverse program, focused on a dialogues between visual languages, branding, music and narrative, including scenic arts and comics. The gallery represent artists, but also develops projects with independent artists, curators and institutions.

The gallery was founded in 2009 by Lucas Ribeiro, after five years as curator of the pioneer Adesivo gallery, both spaces located in Porto Alegre. In its first years, Fita Tape exhibited 15 shows, with works from more than 60 artists from Brazil and abroad.

Lucas relocated in São Paulo to work as main curator of the Sao Paulo’s version of the TRANSFER exhibition (which took place at Santander Cultural in 2008, in Porto Alegre, and in the Brazilian Cultures Pavilion in 2010, in São Paulo), in a partnership with the north-american project Beutiful Losers, and afterwards became founder and partner of LOGO gallery (from 2012 until 2015). Gradually, Fita Tape became an address free gallery and continued through pop up projects, in Porto Alegre, in Rio de Janeiro, and, in 2015, joining SP-Arte/Foto fair in São Paulo.

In 2016, Fita Tape opened its new permanent gallery, in São Paulo’s city center, sharing a generous space with the theater company Os Satyros, also partners in the research with scenic and performative arts. Fita Tape’s new moment is also marked by a new associate joining forces, the Belgian Julie Dumont. Already working in the frame of Belgium-Brazil cooperation, Julie, which is also an independent curator, now develops the international relations of the gallery with artists, curators, galleries, institutions and collectors.

Fita Tape gallery
Estação Satyros, Praça Roosevelt, 134
São Paulo/Brazil

Acervo Fita Tape
Rua Oscar Freire, 2205
São Paulo/Brazil

(Escape exhibition, installation view. Alexandre Cruz Sesper, 2016)

Using Format